O Quarto do Pesadelo

1 1 1 1 1 Rating 5.00 (1 Vote)


Para compartilhar nas redes sociais, clique aqui:

O pesadelo

Acordei no meio da noite... Estranho... Minha cama parece diferente.

Continuo deitado. Que sensação é essa? Abro os olhos e percebo que o teto do meu quarto está diferente. Isso me deixa um pouco assustado. Olho então em minha volta. Esse não é o meu quarto. Onde estou?

Que lugar é esse? Por que tento gritar e não consigo? Minhas mãos suam, apesar do frio. Levanto-me e caminho em direção à porta. Está trancada. Mas o que está acontecendo aqui?

Uma sensação horripilante invade meu corpo quando olho para trás e a cama que eu estava até a pouco deitado, não está mais ali. Afasto-me e encosto minhas costas na porta. Já não tem mais porta. Viro e dou de frente a uma parede.

Ainda posso ver a janela. Sigo em direção a ela muito trêmulo. Está aberta. Será que eu devo pular a janela e tentar sai desse quarto? Abro lentamente a janela e escuto uma respiração profunda no quarto. Sei que não devo olhar. Talvez eu não goste do que vou ver, e até mesmo a janela pode sumir. Ouço novamente a respiração. Agora atrás de mim, tão perto que posso sentir o ar quente em minha nuca. Sinto meus cabelos arrepiarem. Não consigo evitar e vou me virando lentamente para ver quem está ali no quarto comigo. Que pesadelo horrível é esse? Quando vou acordar?

Enfim vejo a figura de uma mulher no outro canto do quarto. Roupas brancas, cabelos pretos. Essa imagem quase me faz me urinar de tamanho medo. Seus cabelos cobrem sua face. Não tenho reação alguma. A figura da mulher começa a levantar seus braços em minha direção. Ela começa a vir em minha direção, e o que mais me apavora é que ela não vem andando. Parece estar flutuando. Ainda não consigo ver o rosto dela, e nem quero. Vamos logo pesadelo maldito. Termine logo de uma vez.

Ela quer me pegar. Meu Deus, o que eu faço? Viro-me em direção a janela e bem como eu temia, ela sumiu, dando lugar a uma parede toda manchada de vermelho. Parecem marcas de sangue. Enfim sinto as mãos frias da mulher em volta do meu pescoço. Será que vou morrer ou enfim acordar desse pesadelo? Já não consigo respirar. Acho que vou morrer. Minhas vistas começam escurecer. Mas que droga de pesadelo é esse?

Acordei novamente na cama. Estou todo suado. Então era realmente um pesadelo. Mas por que eu ainda estou com tanto medo? Minha cama ainda parece diferente. Continuo com os olhos fechados. Tenho medo de abrir e me ver de novo naquele quarto sem saída. Toc toc toc. Alguém está batendo na porta. Quem será? Eu moro sozinho e não conheço ninguém que viria até minha casa essa hora da madrugada, e ainda mais bateria na porta do meu quarto. Bam Bam Bam. As batidas agora foram violentas. Meu coração disparou. O que está acontecendo? Por que eu estou tendo esses pesadelos?

Abro lentamente meus olhos e vejo que não existe porta alguma no quarto. E as batidas foram onde então? Dessa vez não há porta nem janela. Somente paredes a minha volta. Cubro a cabeça com o cobertor. Rezo para acordar logo. Alguma coisa começa a puxar o cobertor. Estou quase chorando de tanto pavor. Por que isso está acontecendo justo comigo? O cobertor já não me cobre mais. Sinto-me exposto. Mas não vou abrir meus olhos. Não quero ver.

Já passados alguns minutos e eu continuo com os olhos fechados. Não aconteceu mais nada depois que puxaram meu cobertor. Acho que vou olhar. A curiosidade está falando mais alto, e não posso evitar. Meu Deus. Não devia ter olhado. Aquela mulher de roupa branca com os cabelos cobrindo seu rosto. Eu tenho certeza que é ela. Sentada nos pés da minha cama. De costas para mim agora. O que eu faço?

Ela começa se levantar. Está de pé agora.

Reparo algo em sua mão direita. Uma faca. Parece estar suja de sangue. Estou apavorado. O que fazer? Esse pesadelo maldito que não termina nunca. Já começo a duvidar se é realmente um pesadelo ou se é real. Ah não... ela está virando na minha direção. Eu não consigo sequer me mexer agora de tão apavorado que estou. Ela começa a vir em minha direção levantando a faca. Meu Deus vou morrer. O que faço?

Ela chega ao meu lado com a faca. Já não consigo mais segurar minha urina. Meu coração bate tão depressa que parece que vai explodir. A mulher está parada. Nenhum movimento sequer. Percebo que a faca está toda manchada de sangue. Mas de quem será esse sangue? Será que essa mulher é algum tipo de espírito?

Ela começa a debruçar sobre mim. Seus olhos começam a aparecer. São totalmente brancos. Ela começa a gritar para mim. O que é isso? Vou infartar de tanto medo. Minha cabeça começa a doer. Começo lentamente a perder a consciência. Tudo fica escuro.

Estou na cama outra vez. Mais uma vez aquele pesadelo. Estou no mesmo quarto maldito. Na cama, vejo uma chave com o número 45. Que diabos é isso? Vou pegar a chave e acabo me surpreendendo com o que vejo. A faca que antes a mulher segurava está agora na minha mão. Meus braços estão com marcas de arranhamento e sangue. A faca também está cheia de sangue. Isso me deixa intrigado. Pego a chave e olho no número dela. Mas o que significa esse número 45? Espere aí. Começo a me lembrar. Eu estava viajando a trabalho, e por conta de uma chuva muito forte, fui obrigado a parar em um hotel na estrada. O único quarto disponível era o quarto 45. Isso significa que estou no hotel. Mas que raios está havendo aqui? A luz do quarto se apaga. Não vejo nada nessa escuridão. Ainda seguro a faca firmemente. Posso ouvir o som de uma respiração além da minha. A unica coisa que me vem a cabeça é que só pode ser aquela mulher. O quarto começa a ficar muito frio. Maldição, como ficou frio. Percebo que já não seguro mais a faca. Tem outra coisa em minhas mãos. Cabelos. Mas que diabos é isso? Pesa um pouco. Levo minha outra mão para tatear. Percebo que estou segurando uma cabeça. Meu Deus, estou segurando uma cabeça decepada. Imediatamente jogo para longe de mim a cabeça. A luz volta, e posso ver a cabeça no chão. Meu estomago fica todo embrulhado e começo a ficar tonto. Parece que vou desmaiar, acabo mesmo desmaiando.

Estou na cama outra vez. Um nome ecoa em minha mente. Cíntia. Quem seria essa Cíntia? Alguns flashs de memória começam a voltar. Lembro-me que dei carona a uma mulher na estrada. Era uma prostituta. Seu nome era Cíntia. Droga, não consigo me lembrar de mais nada. Começo a ouvir um choro de mulher no quarto. Droga, eu não quero olhar. O choro só aumenta. Meus Deus, lembro que essa tal Cíntia entrou no quarto comigo. Onde ela está? Seria ela chorando? Olho ao redor do quarto mas não vejo nada. O choro parou. BAM BAM BAM. Ouço batidas violentas na porta. A porta está de volta no lugar. Vou tentar abrí-la. Está trancada. Onde está a chave? Estava agora pouco na cama. Droga, devo ter deixado cair. BAM BAM BAM. As batidas na porta continuam. Onde está essa maldita chave? Percebo uma coisa no chão ao lado da cama. É a maldita chave. Vou pegá-la e sair desse quarto agora. Uma mão sai de baixo da cama e pega a chave, voltando para baixo da cama. Meu coração acelera mais uma vez. Alguém pegou a chave e esse alguém está debaixo da cama. Não sei se tenho coragem para olhar. Sei que não vou gostar do que vou ver. Mas preciso da chave. Novamente ouço o som de um choro de mulher. Está vindo de debaixo da cama. Vou chegando perto bem devagar. Não quero me surpreender com nada. Sinto muito medo nessa hora. Me ponho de joelhos e me preparo para olhar debaixo da cama. Sangue e mais sangue começa a sair debaixo da cama, me levanto rapidamente para não ser tocado pelo sangue mas o sangue começa a tomar conta de todo o chão. Subo na cama num único salto. Fico observando o chão todo ficando vermelho. Um cheiro terrível começa a tomar conta do quarto. Esse cheiro me deixa enjoado, então começo a passar mal. Desmaio mais uma vez.

Abro os olhos e estou mais uma vez deitado na cama...

 Continua...



Para compartilhar nas redes sociais, clique aqui:

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

© Contos de Terror - Letras de Sangue | Design by: LernVid.com