A MAIS ESCURA DAS TARDES.

1 1 1 1 1 Rating 5.00 (1 Vote)


Para compartilhar nas redes sociais, clique aqui:

No antigo escritório que eu trabalhava certa vez apareceu uma caneta em minha mesa. Era uma caneta bic comum, a tampa tinha marcas de mordida, por isso de inicio não achei nada estranho.

Durante a tarde Altamir, um companheiro de trabalho obeso, me pediu uma caneta emprestada e eu cedi a bic esquecida em minha mesa, ele agradeceu e voltou para a sua mesa, fez menção em me entregar a caneta, mas lhe disse que podia ficar com ela.

O dia transcorreu tranquilo como todos os outros, no fim do expediente Altamir se despediu e saiu apressado pelo corredor, alguns minutos depois ele voltou sorrindo dizendo que tinha esquecido a caneta, brinquei dizendo que era só uma caneta, que ela estaria no mesmo lugar amanhã, ele mordeu os lábios e respondeu: - Não é apenas uma caneta, pegou a caneta a levou na altura de seus olhos a examinou, e em seguida a colocou dentro de sua pasta e saiu sem dizer nada.

Estranhei aquilo, mas em pouco tempo já tinha esquecido do ocorrido eu tinha uma prova de geometria analítica na faculdade e estava quase sendo reprovado.
No dia seguinte Altamir me pareceu mais calado que o normal, não deu bom dia para ninguém, sentou em sua mesa e ficou comtemplando a caneta a girando de um lado para outro.

Em determinado momento começou a falar sozinho como se tivesse discutindo com alguém ao olhar para ele vi que discutia com a caneta, seu tom de voz foi aumentando:- eles não vão tirar você de mim! Ele gritava.
Virou-se em direção a porta de saída do escritório e começou a enxotar alguém que supostamente estaria ali.
O gerente se aproximou dele e pediu para ele se acalmar.

-Me acalmar é o caralho! –Essa caneta me mostra as coisas, eu sei exatamente o que vocês pensam de mim sou o Altamir bolo fofo, não é como vocês me chamam quando não estou por perto?
-E você Valeria, não disse para as outras meninas que preferia praticar zoofilia do que transar comigo,que eu era um gordo fedorento? – vai se fuder todos vocês! Esbravejou.
-Já chega, você vem comigo! Gritou o gerente pegando Altamir pelo braço.

Altamir suava, estava totalmente fora de si apertou a caneta em sua mão gorda e a enfiou no olho direito do gerente da empresa, não uma mais seis vezes antes que eu e mais dois amigos o segurássemos.
O corpo do gerente foi se debatendo perdendo o controle do seu aparelho urinário e mijando sua calça toda, depois de alguns segundos ele estava morto o olho bom congelado eternamente em uma expressão de terror.

Altamir gritava, implorava pela caneta, fui obrigado a bater na cabeça dele com um grampeador, assim que ele desmaiou pedi para Valeria ligar para a policia, colocamos um lençol sobre nosso gerente, assim que a policia chegou levou Altamir sobre custodia e ao tirar o lençol do corpo de nosso chefe, a caneta havia desaparecido.



Para compartilhar nas redes sociais, clique aqui:

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

© Contos de Terror - Letras de Sangue | Design by: LernVid.com