DEVIL HILL

1 1 1 1 1 Rating 0.00 (0 Votes)


Para compartilhar nas redes sociais, clique aqui:

Estava sendo difícil mudar de escola pela terceira vez no ano, mas andy sabia que isso se fazia necessário pelo trabalho de seu pai, como um pesquisador paranormal, seu pai tinha que esta sempre viajando para descobrir acontecimentos inexplicáveis, e certamente Devil Hill estava cheio desse tipo de acontecimento.

Também, com um nome desse só poderia aparecer todo tipo de doido na cidade, a qual teve nome escolhido a partir de um trágico acidente que houve em um circo que se apresentava na cidade por volta de 1813. Segundo a pesquisa que Andy fez antes de se mudar para a nova cidade, nesse ano o circo tinha uma nova atração, uma espécie de grande buraco que dizia-se ir até o inferno, e um grupo de moradores revoltados com tal espetáculo tinham tentado impedir a abertura do buraco e nessa ocasião acabou acontecendo um incendia que matou quase toda a população da cidade, sobrando apenas 193 pessoas vivas, uma verdadeira tragédia pensou Andy, mas como dizia seu pai "não podia desconsiderar a coincidência numérica dos fatos". Andy sempre achou essa historia de paranormal apenas uma loucura do pai, mas nunca se atreveu a questionar seu pai a respeito do seu trabalho.

Preparando sua mochila para o primeiro dia de aula ele lembrou o porque de ter gostado da mudança para a nova cidade, e enquanto relembrava tocou de leve a pequena cicatriz que tinha se formado próximo a seu olho esquerdo pelo trágico acidente do GUANAPO.

Andy estava com o pai já fazia mais de duas horas procurando pistas de um monstro na floresta onde estavam, segundo a lenda, na floresta vivia um animal meio lobo, meio demônio que atacava a noite e roubava o gado das fazendas próximas à floresta, e já tinha matado duas crianças, sendo todas as mortes ocorridas em noites de lua cheia, "como hoje" pensou Andy, para o pai apenas falou pela decima vez naquela noite

-pai, o senhor não acha que seria mais prudente vir atrás de um animal que já matou duas pessoas com reforços, ou pelo menos armado.

-não tem problema filho, nos não vamos caçar ele, apenas vamos ver se conseguimos filmar ele. Além do mais somos dois e ele se aparecer é apenas um. Falou isso com um sorriso largo, seu habitual sorriso brincalhão.

Andy revirou os olhos, e voltou a preparar os equipamentos, gesto que seu pai não viu por estar muito ocupado tentando identificar o cabo de vídeo do monitor que apresentava as imagens das 23 câmeras que eles tinham montado ao redor da floresta para filmar a tal criatura,  que na opinião de Andy não passava de um lobo que foi confundido com alguma criatura que a imaginação fértil dessas pessoas criaram, pobre animal pensou Andy, sendo a grande atração de um show de horrores que as pessoas da área criaram ao redor dele, e com esse pensamento ele sorriu pensando na bela criatura andando a noite na floresta, apenas cuidando da sua vida e sendo confundida com um monstro.

Os seus pensamentos foram calados com seu pai o chamando para ver algo que apareceu no monitor, o monitor 21, aquele que estava mais próximo deles, a sua esquerda.

Na tela aparecia apenas uma sombra que poderia ser qualquer coisa, mas para seu pai representava a tal "criatura" que eles procuravam.

-ela parece estar se afastando, vamos perder ele, temos que fazer alguma coisa. Falou seu pai em um tom baixo para Andy. Falando isso seu pai começou a se mover em direção a câmera que tinha capturado o vulto, deixando Andy sozinho olhando para o monitor.

Do nada apareceu a imagem do seu pai no monitor caindo no chão, assim, do nada, sem nenhum barulho para avisar, se Andy não estivesse vendo no monitor provavelmente não teria notado o ocorrido. Numa fração de segundo ele correu para encontra o seu pai. Quando estava chegando perto do corpo do seu pai algo veio em sua direção e o atacou, ele não chegou a ver quase nada, apenas um par de olhos amarelos e um rugido rouco e nesse momento sentiu uma terrível dor na testa e sentiu seus sentidos o abandonando. Ele estava caindo em um sono profundo embalado pela melodia do rosnar do animal, algo que ele  nunca ia esquecer.

Dois dias depois acordou no hospital com seu pai e sua mãe ao lado da cama, em um quarto de hospital agradável, bem amplo com uma cama no meio, a qual estava deitado e duas poltronas no lado direito onde os seus pais provavelmente estavam sentados.

-me desculpa filho eu não tinha a menor ideia que isso poderia acontecer. Disse seu pai

-como você esta filho? se eu soubesse pra que o teu pai te levou eu não teria deixado?

Esquecendo por um minuto os pais Andy enfim reparou na dor aguda que estava sentido nas costas, pernas e rosto, e então se lembrou porque tava no hospital, aqueles olhos, aqueles olhos que olhavam para mim e num impulso moveu a mão para o lado esquerdo do rosto e sentiu ataduras que cobriam essa parte do seu rosto.

Tudo que aconteceu após isso foi um borrão, saiu do hospital em 3 dias, uma recuperação milagrosa afirmou o médico, voltou para a escola, virou o centro das atenções com as cicatrizes em todo o corpo, principalmente no rosto, todo mundo queria saber o que tinha acontecido, amigos, namorada, enfim todos começaram a se afastar e ele se tornou a aberração da escola, bom...., mas finalmente tudo isso acabou. No final do semestre seus pais resolveram mudar de cidade e agora Devil Hill era para ser um novo começo, sem ninguém saber do acidente, sem as marca no rosto que desapareceram em 3 meses deixando apenas uma pequena marca próximo ao seu olho esquerdo. Deixando desses pensamentos ele desceu a escada para tomar café da manhã e seguir no primeiro dia de escola.



Para compartilhar nas redes sociais, clique aqui:

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

© Contos de Terror - Letras de Sangue | Design by: LernVid.com