Tem Mais Alguém Aqui Comigo

1 1 1 1 1 Rating 5.00 (1 Vote)


Para compartilhar nas redes sociais, clique aqui:

O Dr. Rezende era a maior autoridade brasileira no estudo da esquizofrenia. E seus estudos atualmente o levavam a crer mais e mais que a hipnose era a chave para a cura de seus pacientes.

Autorizado pelas famílias, ele tinha tido muito sucesso no tratamento de casos mais leves. Acreditava que havia chegado a hora de tentar algo com os casos mais avançados.

Jane era perfeita para seus estudos. Primeiro, porque não haveria uma família para colocar limites em suas pesquisas : Jane era o nome que a mulher ganhara dos enfermeiros da clínica. Alguém vira em um seriado americano que eles tem essa mania de batizar pacientes desconhecidos de John e Jane Doe - algo como João e Joana Ninguém - e resolvera que aquele era um bom nome para a mulher.

E ela era um caso grave. Desenvolvera múltiplas personalidades. Ninguém até ali contara quantas, mas era estranho ver como ela mudava de postura, de voz, de tudo. Não fosse o mesmo corpo, era possível dizer que realmente, se tratavam de várias pessoas.

Era uma tarde de quarta feira, um dia quente de janeiro. Amaldiçoando o pessoal da manutenção, que desde o dia anterior não descobrira a causa do defeito no ar condicionado, o Dr. Resende fechou as persianas para que a sua sala ficasse em uma leve penumbra.

Não que a paciente parecesse precisar de qualquer condição especial para entrar em estado hipnótico: seu rosto apresentava um ar meio abobalhado, seus olhos tinham uma expressão distante, que as enfermeiras do sanatório haviam aprendido a valorizar pois, quando não se apresentava daquele jeito, era quando estava dormindo ou tendo uma de suas violentas crises, onde tentava ferir a todos que pudesse alcançar.

O Dr. Resende ajustou um metrônomo para que marcasse um compasso bem lento. Aos poucos, o olhar distante de Jane foi sendo substituído por uma sonolência característica e seus olhos se fecharam.

- Jane, está me ouvindo?

- Sim.

- Muito bem, eu quero lhe fazer algumas perguntas. Tudo bem?

-Tudo bem.

Enquanto o Dr. Resende se preparava para formular sua primeira pergunta, a paciente voltou a falar:

- Quero dizer, por mim tudo bem, mas não sei se posso...

Aquilo era inédito para ele. Nunca vira alguém sob hopnose hesitar daquela forma.

- E por que não poderia?

- Eles me disseram para não falar com você.

- Quem disse?

- Bom, tem mais alguém aqui comigo.

- Quem, Jane?

A moça estremeceu e calou-se.

- Você pode confiar em mim, Jane. Quem não quer que você fale? Quem está aí com você?

Jane movimentava a cabeça em desesperada negação.

- Não, não posso! Eles dizem que não podem haver nomes...

- Quem está proibindo você de falar Jane?

Silêncio.

- Por favor, Jane. Eu só. quero ajudar você a se curar.

- Você quer, mas não pode me ajudar.

- Por quê?

- Mateus, 17:21... Você não tem fé suficiente...

Aquilo foi duplamente desagradável para o Dr. Resende. Ele odiava quando os delírios de seus pacientes começava a envolver religião. Quando ele manifestava seu desagrado com o assunto, eles costumavam olhar para ele como se ele fosse o louco ali presente.

Era justamente por causa daquele tipo de situação que ele passou a manter uma Bíblia no consultório.

Apanhou a Bíblia na estante e começo a procurar pela citação. E lá estava:

"Mas a esta casta de demônios não se expulsa senão pela oração e pelo jejum."

Aquilo irritou o Dr. Resende e ele resolveu que talvez valesse a pena arriscar um pouco.

- Quero falar com quem está proibindo Jane de falar.

A resposta ao comando foi imediata. Os olhos da mulher reviraram em suas órbitas,o corpo relaxado tornou-se tenso e o rosto assumiu um ar ao mesmo tempo zombeteiro e assustador.

Mas o mais aterrador foi a voz que saiu da boca da moça. Uma voz feita de milhares de vozes que falavam juntas, mas de forma mal sincronizada, como se fossem um coral mal ensaiado.

- Tem certeza de que quer mesmo falar conosco?

Aquilo deixou o Dr. Resende fascinado. Como era possível um ser humano produzir tal efeito com a voz?

Mas a admiração teria de esperar. Ele precisava entender primeiro o que estava acontecendo.

- Quem é você?

A paciente virou o rosto em direção ao médico:

- Nomes são coisas poderosas, Doutor. Não se diz o nome assim, tão facil. Além do mais, seria uma lista muito longa... Muuuuito longa... ha, ha ha!

Ela ria, e seu riso ecoava como se fosse um auditório lotado.

O Dr. Resende não podia mentir pra si mesmo: aquilo estava deixando-o apavorado.

- Se não quer falar comigo, então, tudo bem! Voltaremos a conversar outra hora.

- Não manda mais aqui, Doutor. Não percebeu? - e a paciente olhou para o metrônomo. Estava parado.

Foi a vez de o Dr. Resende rir. Uma risada nervosa, mas que ele não pôde evitar:

- Ora, a corda acabou, foi só isso...

A paciente balançou de novo a cabeça na direção do metrônomo. Foi então que o Dr. Resende percebeu que ela indicava não o metrônomo, mas a abertura do ar condicionado:

- Frio, Doutor?

Foi quando o Dr. Resende percebeu que a temperatura na sala estava caindo.

Ele estava pronto a retrucar que não era nada demais, que a manutenção devia ter conseguido consertar finalmente o ar condicionado, mas ao abrir a boca notou que o ar que saia dela transformava-se em vapor.

E, principalmente, as fitas presas à grade continuavam paradas, indicando que o ar condicionado continuava desligado, tão quebrado quanto antes.

Ao voltar-se novamente para sua paciente, percebeu que esta se levantara e se encontrava a menos de um palmo de distância:

- Assustado, Doutor?

Apavorado, o Dr. Resende olhava para os olhos de sua paciente e via neles o reflexo de um vazio absoluto.

- Quem... ou o quê... é você?

Incapaz de fugir, o Dr. Resende ouviu a resposta de sua pergunta. Não saberia dizer se o que o apavorou mais foi o conteúdo da resposta, ou o fato de que ela não viera da boca de sua paciente. Aquela voz sinistra ecoava claramente dentro de sua cabeça:

- Eu sou aquele que continuará a habitar este corpo, quando você deixar esta sala. Eu sou aquele que deixará esta sala com você e que, graças a você, se espalhará como uma praga e tomará o corpo de cada humano que você encontrar pela frente!

E, rindo-se do apavorado médico, completou:

- Quer mesmo saber meu nome, Doutor?

O Dr. Resende queria correr, gritar, qualquer coisa. Mas sentia-se petrificado, incapaz de qualquer movimento.

Abraçando- se ao médico de uma forma lasciva, a mulher sussurrou em seu ouvido:

- Meu nome é Legião, porque somos muitos!

***FIM***



Para compartilhar nas redes sociais, clique aqui:

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

Comentários   

0 # Cinda 06-07-2017 03:25
Hi guys! Who wants to chat with me? I have profile at HotBabesCams.co m, we can chat, you can watch me live for free, my nickname is
Anemonalove: https://3.bp.blogspot.com/-u5pGYuGNsSo/WVixiO8RBUI/AAAAAAAAAFA/JWa2LHHFI2AkHParQa3fwwHhVijolmq8QCLcBGAs/s1600/hottest%2Bwebcam%2Bgirl%2B-%2BAnemonalove.jpg , here is my photo:

https://3.bp.blogspot.com/-u5pGYuGNsSo/WVixiO8RBUI/AAAAAAAAAFA/JWa2LHHFI2AkHParQa3fwwHhVijolmq8QCLcBGAs/s1600/hottest%2Bwebcam%2Bgirl%2B-%2BAnemonalove.jpg
Responder | Reportar ao administrador
0 # melissa coelho 05-03-2014 14:42
Adorei eu morri de medo quando ela foi possuída Meu Deus!! :-? :-?
Responder | Reportar ao administrador
+2 # Elaine 30-11--0001 00:00
bem interessante mas o final deixou a desejar..
Responder | Reportar ao administrador
0 # Edson Tomaz da Silva 30-11--0001 00:00
Oi, Elaine.
Obrigado por comentar o meu texto.

Talvez se você voltar e dar uma lida na passagem do Novo Testamento que fala da expulsão do Legião por Jesus Cristo, o final faça mais sentido para você. Quem sabe?

De qualquer forma, muito obrigado.

Um BIG abraço e bons pesadelos.
Responder | Reportar ao administrador
+1 # cintia 30-11--0001 00:00
Essa última frase ele deve ter tirado da bíblia..não deixou a desejar não..por não estar tão longe da realidade..a história desta moça..possuída por uma casta de demônios.
Responder | Reportar ao administrador
0 # Edson Tomaz da Silva 30-11--0001 00:00
Exatamente, Cíntia - Evangelho segundo São Marcos, capítulo 5, versículos 1 a 20.

Todo o impacto do fim está associado ao fato dessa frase ser tão famosa e pressupõe que o leitor a conheça, embora não precise saber em detalhes do que se trata.

Um BIG abraço e bons pesadelos.
Responder | Reportar ao administrador

© Contos de Terror - Letras de Sangue | Design by: LernVid.com