As Mãos Do Carrasco

1 1 1 1 1 Rating 5.00 (1 Vote)


Para compartilhar nas redes sociais, clique aqui:

Esta história se passa em tempos imemoriais, no grande reino de Valdora, cuja história se perdeu numa trilha de sangue e crueldade. É a história do último governante de Valdora, antes que o reino fosse tragado pela cobiça e sua memória fosse jogada nas cinzas do tempo.

 

Valdora nascera da união de cidades cuja principal atividade era o comércio. Governada por uma família real formada pela união das famílias de comerciantes que haviam fundado as cidades originais do reino, abominavam a guerra porque esta prejudicava seus lucros e o reino foi por séculos governado com um único objetivo: preservar as boas relações com os povos vizinhos e a infra estrutura – estradas, portos, serviços de mensageiros -  tão necessárias para que este  comércio continuasse sempre florescendo.

 

Mas a prosperidade infelizmente traz consigo a cobiça dos invejosos e isto selou o destino de Valdora. As nações bárbaras do norte, sabedoras que o extremo sul do continente abrigava um reino de vastas riquezas, formaram um gigantesco exército de coalizão e marcharam atravessando todo o continente, deixando atrás de si um rastro de morte e destruição.

 

Após sangrentas batalhas e um cerco onde a fome e a peste quase dizimaram a cidade, os exércitos bárbaros tomaram a capital, Helendorf. E iniciou-se um grande reino de terror, cujo ápice se deu no governo de Vieltoorth, apelidado de O Rei Demônio, tamanha a sua crueldade. O maior símbolo de seu reinado não foram obras, conquistas ou glórias em batalha, mas as execuções de seus opositores, sob o machado do carrasco real, Ravencroft. Sob seu incansável machado, milhares que se opuseram ao regime ou apenas tiveram o azar de cair em desgraça com Vieltoorth, perderam a cabeça em execuções públicas.

 

Foi nesta época que Lorde Janteal, último descendente vivo da família real de Valdora, foi em busca da belíssima e poderosa Malinda, feiticeira que habitava as florestas ao leste do reino. Sua família havia sido expulsa do reino pela família real séculos antes, quando os dons da premonição e do controle sobre as forças da natureza começaram a se manifestar nas mulheres da família.  Lorde Jenteal buscou sua cooperação com a promessa de que o nome de sua família não seria apenas resgatado da infâmia, como também seria alçado à nobreza, através do casamento dele, Lorde Janteal, com a própria Malinda.

 

Aflita pela condição de seu povo e seduzida pelas promessas de Lorde Jenteal, Malinda deu início a uma série de catástrofes naturais, que colocaram  Vieltoorth, O Rei Demônio, de joelhos. Com o reino fustigado por tempestades, inundações ou longos períodos de seca, os alimentos e água potável se esgotaram. Veio a peste, que estranhamente só vitimou os bárbaros invasores. Nesse cenário, não restou ao Rei Demônio senão render-se incondicionalmente, quando os exércitos de Lorde Jenteal chegaram às portas de Helendorf.

 

O primeiro ato de Lorde Jenteal, assim que se sagrou rei de Valdora, foi ordenar a execução de Vieltoorth,  O Rei Demônio, pelas mãos do carrasco real, Ravencroft. Assim, o mais maldito dos reis bárbaros de Valdora morreu pelas mãos daquele que foi o maior símbolo de seu governo.

 

Ato seguinte, Ravencroft teve as mãos decepadas e também foi decapitado. Como uma espécie de elemento sarcástico, Lorde  Jenteal ordenou que as mãos do carrasco estivessem segurando o cabo do machado na hora de sua decapitação. Assim, o maior símbolo do terror viu suas próprias serem mãos amarradas ao cabo do machado com que tirara milhares de vidas nos anos de terror de seu mestre. E sua última  visão foi a de suas mãos e de seu machado descendo para cortar sua própria cabeça.

 

Morto o carrasco, suas mãos foram embalsamadas e ficaram expostas, junto com seu machado, num monumento na praça central de Helendorf.

 

Mas as nuvens da desgraça não se afastaram do Reino de Valdora. Lorde Jenteal revelou-se um governante ainda mais traiçoeiro e cruel do que o falecido Rei Demônio. E, temeroso dos vastos poderes de Malinda, decidiu não cumprir sua promessa de casamento.

 

Ao contrário, acusou-a abertamente de conspirar contra ele e condenou-a à morte na fogueira,  como mandava a tradição que se fizesse com aqueles acusados de feitiçaria. Apesar de seus enormes poderes, Malinda não previu a traição nem resistiu à prisão.

 

No dia da execução de Malinda, quando a enorme fogueira foi acesa, as palavras da condenada foram ouvidas por todos os presentes na praça das execuções:

 

- Lorde Jenteal, as estrelas me condenaram por ter sido tola e ambiciosa, acreditando em suas promessas. Mas você e seu reino não sobreviverão muito mais do que eu, para celebrar a minha morte!

 

- Não podes me amaldiçoar, mulher! Em breve seu corpo arderá na fogueira e sua alma arderá nas chamas do Inferno!

 

- Não serão as minhas mãos que trarão sua morte, Jenteal. Serão mãos muito mais capazes que as minhas neste ofício!

 

E, depois de proferir aquelas enigmáticas palavras, Malinda foi cercada pela chamas da fogueira e morreu em meio a grande dor e agonia, para deleite de Lorde Jenteal.

 

Naquela mesma noite, o capitão da guarda particular do Rei Jenteal se viu obrigado a acordá-lo: as mãos embalsamadas e o machado de Ravencroft haviam desaparecido da praça central.

 

Aquilo só podia significar uma coisa: rebelião. Por medida de segurança, o Rei foi dormir numa câmara oculta, cuja existência só era conhecida por dois de seus generais de maior confiança. Enquanto isso, caberia à guarda particular do Rei recuperar o símbolo maior de seu antecessor deposto.

 

Mas o Rei dormiu mal naquela noite. Os pesadelos assolavam seu sono. Pesadelos onde era perseguido pelas mãos e pelo machado de Ravencroft.

Foi num dos momentos em que acordou destes pesadelos que resolveu levantar-se para beber água. A noite quente e o desespero provindo dos sonhos assustadores o faziam suar, causando-lhe sede.

 

Serviu-se de água e, enquanto bebia, parou frente ao enorme espelho que cobria uma parede inteira do aposento. Foi quando percebeu, atrás de si, o reflexo de Ravencroft, vestido em seu uniforme de gala, trazendo em suas mãos seu machado de execução.

 

Apavorado, o Rei voltou-se para encarar o carrasco, mas viu apenas o machado e as mãos embalsamadas, flutuando no ar, presas a corpo nenhum...

 

----xxxx----

 

Quando a notícia de que o Rei fora encontrado decapitado em seus aposentos secretos e ao seu lado estavam as mãos e o machado do falecido carrasco, a população do reino se dividiu entre os que resolveram se levantar e tentar tomar o trono vazio pela força, e os que abandonaram o reino, dizendo que este estava amaldiçoado e malditos seriam os que ali permanecessem.

 

Assim, tal qual um corpo decapitado, o reino de Valdora sofreu alguns últimos espasmos, antes de morrer e suas memórias e seu nome se perderem nas cinzas da História.

 

----FIM----

 

 

 



Para compartilhar nas redes sociais, clique aqui:

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

© Contos de Terror - Letras de Sangue | Design by: LernVid.com