Quando Damos Ao Louco Uma Metralhadora

1 1 1 1 1 Rating 0.00 (0 Votes)


Para compartilhar nas redes sociais, clique aqui:

A dor que rasga meu corpo
Não é culpa de outro, só minha
Fui eu quem criou a fera
E a deixou crescer sozinha

 

A dor que rasga teu corpo
Não é culpa de outro, só tua
Tu deixaste a insana fera
Livre para ganhar a rua

 

Quando desligamos nossa consciência
A vida nos força a tomar ciência
E sempre de forma assustadora

 

Nos demonstra sem a menor clemência
Como maior é a nossa própria demência
Quando damos ao louco uma metralhadora

***FIM***



Para compartilhar nas redes sociais, clique aqui:

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

© Contos de Terror - Letras de Sangue | Design by: LernVid.com